Polícia faz reconstituição para investigar caso de menino de três anos que morreu em Cianorte

0

  Peritos buscam entender o que aconteceu na casa e durante o caminho até a UPA, onde o menino morreu. Caso aconteceu em março, e IML apontou que menino foi vítima de agressões.

  A Polícia Civil fez a reconstituição da morte de uma criança de três anos que morava em Cianorte, no noroeste do Paraná. Laudos do Instituto Médico-Legal (IML) apontaram que o menino foi vítima de agressão.

  O caso aconteceu no fim de março. A criança chegou a ser levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas morreu. O padrasto dele foi preso suspeito de envolvimento no caso.

  O delegado que investiga o caso, Wagner Quinhão, disse que a reconstituição foi feita para tentar resolver dúvidas que surgiram durante a investigação.

Com o procedimento, a polícia busca entender o que aconteceu dentro da casa e durante o caminho até a UPA, onde o menino morreu.

“Os peritos realizaram todo o trabalho pericial, na residência onde a criança foi vitimada, e conseguiram apurar muitos detalhes que ajudarão no esclarecimento desse ato”, afirmou.

  Ainda conforme o delegado, o inquérito de investigação segue para a parte final e deve ser enviado à Justiça nos próximos dias.

   A polícia ainda não divulgou novos detalhes da apuração do crime.

O caso

Após a morte do menino na UPA, funcionários chamaram a Polícia Militar (PM). Segundo a PM, a vítima tinha machucados pelo corpo.

O padrasto prestou depoimento à Polícia Civil e negou que tenha agredido o menino. Ao ser perguntado sobre os machucados da criança, o homem disse que foram causados enquanto ela brincava.

Os laudos do IML apontaram que a causa da morte foi uma hemorragia causada pelo rompimento do pâncreas. Além disso, o IML não constatou evidências que indicassem violência sexual.

Familiares da mãe do menino disseram que o casal estava junto há um ano e que viviam em uma casa aos fundos da residência da avó materna da criança.

A mãe do menino também foi ouvida. Ela disse que o convívio do padrasto com o menino, na percepção dela, era saudável, mas que a vítima não gostava de ficar sob os cuidados do homem.

A polícia apura uma possível omissão ou conivência da mulher no caso.

Fonte: G1 Paraná

Comentários
Compartilhar.

Os comentários estão desativados.

Importante: Nós usamos cookies para lhe oferecer a melhor experiência em nosso Site. Para saber mais sobre nossas políticas, veja em Política de  Privacidade.

Criado por WP RGPD Pro
×