Antigo escrivão da polícia envolvido em diversos crimes é assassinado em Jaguapitã

0

Um homicídio ocorrido no início da noite da última terça-feira, 03 de outubro, em Jaguapitã, intriga moradores  do município por estar sendo ventilada uma suposta ‘queima de arquivo’.

Fábio Rafael Gonçalves de Souza, 34 anos, antigo escrivão da polícia civil, foi assassinado no momento em que estava trabalhando na Mercearia da família, que fica localizada na Rua José dos Bandeirantes.

Um individuo entrou no estabelecimento comercial e sem fazer nenhuma menção de assalto ou algo semelhante, efetuou disparos em direção de Fábio que estava sentando cuidando do ‘caixa’ da Mercearia. Segundo informações, a vítima não teve tempo de esboçar nenhuma reação e foi alvejada com cinco tiros na região da cabeça perdendo a vida imediatamente.

Sua esposa estava no local e presenciou o crime. Populares informaram que uma motocicleta que estava aos arredores da Mercearia pode ter sido usada na fuga do atirador.

O crime será investigado pela polícia e o corpo de Fábio foi encaminhado ao IML de Londrina.

ESCRIVÃO FOI PRESO EM 2013 POR PARTICIPAÇÕES EM DIVERSOS CRIMES

Fábio Gonçalves foi preso e indiciado em março de 2013 pelos crimes de ocultações de documentos públicos, tortura, posse de arma de fogo e munições e peculato.

Na época, durante uma inspeção realizada  pelo Delegado do município, foram encontrados documentos referentes a um auto de prisão em flagrante e auto de fiança no porta luvas de veículo utilizado em serviço pelo escrivão. Os documentos encontrados foram conferidos e, segundo o Ministério Público, foi verificado que não havia sido instaurado inquérito policial ou depósito judicial do valor da fiança e nem o juiz havia sido comunicado do flagrante. “A fiança foi paga por cheque e esse cheque foi sacado na ‘boca do caixa’ por Fábio, segundo o promotor da época.

Além disso, o escrivão já havia sido denunciado por porte ilegal de arma de fogo e por agressão a uma criança de 11 anos durante uma abordagem irregular.

Fábio cumpriu alguns anos de prisão, tinha conseguido o benefício de progressão de pena e estava com tornozeleira eletrônica.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *